Quando a vinheta da Globo começa a tocar na telinha, a gente já sabe: ano velho acabando, ano novo chegando. E tome “hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser...”.
 
É tudo muito tocante, sem dúvida. Mas prefiro pensar no que ainda posso fazer pra terminar meu ano velho da melhor forma possível.
 
Conheço pessoas que vivem fazendo promessas para o ano seguinte. É gente, muitas vezes, que corre do momento presente, que se recusa a encarar o hoje, o agora, o “nesse exato instante”.
 
O problema é que a única coisa que de fato temos, é o momento presente. O ontem, já se foi. O amanhã, nunca se sabe. Só nos resta o agora, o hoje, o neste momento.
 
Por isso se eu tivesse que escolher entre 2013 e 2014, sem dúvida ficaria com o ano velho, já que respiro e vivo minha vida ainda em 2013.
 
Não vou pensar em 2014 ainda não. Por enquanto, todas as minhas atenções estarão voltadas para 2013 e para os segundos, minutos e horas que vivo e que ainda viverei neste velho ano. Não quero entrar no ano novo com a sensação de que deixei de viver os últimos dias de 2013, como um urso que hiberna no inverno e só acorda no verão, deixando de curtir a neve do inverno.
 
Fazer isso é matar o ano velho que ainda pulsa dentro de nós. E isso pode significar assassinar coisas maravilhosas que ainda podem acontecer nesta reta final de 2013.
 
Desejo um bom ano novo, pra você. Mas também desejo um excelente findar de 2013 pra você. Afinal, nunca se sabe o que nos aguarda até o momento da virada.
 
Um abraço!